A VIDA NÃO É UMA FESTA! - Pastor Clari Mattos

ESTUDOS

A VIDA NÃO É UMA FESTA!

Publicado: agosto, 2017

“Jesus continuou: — Havia um homem rico que vestia roupas muito caras e todos os dias dava uma grande festa” (Lc 16.19 NTLH).

O que temos acima é a história de um homem rico que ostentava uma vida de regalias exacerbadas. E, precisamos concordar que hoje em todos os lugares é possível vermos muito disso também.

Para muitos a vida virou uma curtição, às vezes totalmente irresponsável e afrontosa para com seus semelhantes próximos que não têm o mínimo para viver. Até alguns chamados pastores, se têm deixado levar pela ganância. Temos acompanhado casos comuns de alguns que, enquanto suas humildes ovelhas lutam para sobreviver, padecendo muitas vezes necessidades até básicas, aqueles vivem a viajar daqui para lá, hospedando-se em hotéis de luxo, recebendo salários fora da realidade e mais deplorável ainda, criando situações para empregar parentes nas organizações que presidem ou elaborando plataformas institucionais para deixar o cargo de presidente para os filhos, num reprovável nepotismo “ministerial”.

Há também um tipo de gente que vivem como ricos, sem na verdade o serem! Em Pv 13.7 lemos: “Alguns que são pobres fingem ser ricos”.

Desde há muito que, somos incentivados a celebrar a vida, comemorar efusivamente cada pequeno êxito ou vitória. Na verdade, o mundo está cheio de mensagens dessa natureza.

Aparentemente vive-se num “país das maravilhas”, de Alice, ou como diria o compositor baiano: “Tudo é divino, tudo é maravilhoso”, e essas ilusões vão embalando o povo que procura sufocar a realidade com muitas mensagens motivacionais e de autoajuda.

Bom, ou eu vivo em outra dimensão da que vive muita gente, vendo o mundo com outros olhos, sou doente da cabeça ou é a maioria que enlouqueceu? Como disse um amigo: “Ou o mundo está de ponta cabeça, ou sou eu que estou plantando bananeira”?

Alguns fatos da vida que para alguns é motivo de preocupação, para outros é justificativa para celebração! Tais contrastes retratam bem o famoso sistema atual que propõe a inversão de valores (Is 5.20).

Também não há como não lembrar que muitos políticos, há muito, que fazem festa com o dinheiro dos outros, visto que Palácios não produzem nada, só gastam! (Dn 5.1; Et 1.3,4, etc.).

Em nenhum lugar da bíblia, se aprende que a vida é uma festa para o crente, ao contrário, as figuras de linguagem que identificam o povo de Deus fala de trabalho, luta e muita concentração. A igreja é comparada a uma lavoura em pleno desenvolvimento, um edifício em fase de construção, um exército em efetiva campanha (1Co 3.9; 2Tm 2.4).

E o crente é comparado a um atleta, um lavrador, um soldado e também como um membro de um corpo em desenvolvimento, que no caso é a igreja verdadeira e cuja cabeça é Cristo Jesus (2Tm 2.3 – 6; 1Co 12.27). Como atleta, o cristão precisa se abster de muitas coisas que em si, podem parecer inofensivas e nem parecer pecados, mas que poderão lhe embaraçar a carreira, tomando-lhe o tempo que devia ser utilizado para seu treinamento e aplicação efetiva (Hb 12.1). E, como sabemos não é num ambiente de festa contínua que um atleta de alto rendimento se adestra.

A figura do lavrador retrata uma vida de muitas agruras e trabalho duro, muito mais do que um agricultor moderno poderia jamais imaginar. Nos tempos de o Novo Testamento ser um lavrador era produzir para subsistir e com muita dificuldade, não dava para fazer muita festa!

Paulo diz: “Pois o soldado, quando está servindo, quer agradar o seu comandante e por isso não se envolve em negócios da vida civil. ”. Se o crente se considera um soldado de Cristo, precisará viver um estilo de vida austero, muitas vezes solitária e não no ambiente despreocupado da festa!

Amém!

Pr. Clari Mattos.

 

 

 


Comentários no Facebook