CRISTIANISMO ATUAL - Pastor Clari Mattos

ESTUDOS

CRISTIANISMO ATUAL

Publicado: abril, 2017

“Mas ele, respondendo, disse-lhes: Quando é chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está rubro.E pela manhã: Hoje haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis diferençar a face do céu e não conheceis os sinais dos tempos?(Mt 162,3)

Como definiríamos o cristianismo? Quais são suas características básicas suas doutrinas fundamentais, ou sua ética? Naturalmente essas são perguntas muito difíceis de responde com segurança devido as muitas mudanças que ocorreram nestes mais de dois mil anos de história. O termo nem mesmo aparece na bíblia e segundo o dicionário de Houais da língua portuguesa, entrou para nosso idioma no século XIV. Mas já era utilizado para identificar os seguidores de Cristo bem antes disso conforme dados encontrados na Wikipédia onde lemos: “O termo “cristão” (em grego Χριστιανός, transl. Christianós) foi usado pela primeira vez para se referir aos discípulos de Jesus na cidade de Antioquia (Atos 11.26), por volta de 44 d.C., significando “seguidores de Cristo”. O primeiro registro do uso do termo “cristianismo” (em grego Χριστιανισμός, Christianismós) foi feito por Inácio de Antioquia, por volta do ano 100. Ver Elwell/Comfort. Tyndale Bible Dictionary, pp. 266, 828
Como introdução ao tema em epígrafe consideremos que originalmente os seguidores de Cristo eram pejorativamente chamados (denominados) de “cristãos”,esse título foi lhes dado pelos inimigos desses primeiros discípulos do Mestre, por esse mesmo motivo é que Pedro escreve para os seus contemporâneos: “  mas, se padece como cristão, não se envergonhe; antes, glorifique a Deus nesta parte”(1 Pedro 4.16).Segundo peritos da língua grega o que Pedro queria expressar aqui era: “Se alguém sofrer devido à ofensa daqueles que,desdenhosamente,o chamam cristãos”(Vincent).Foi em Antioquia da Síria,repetindo, que os crentes em Jesus foram pela primeira vez chamados “cristãos” – “seguidores de Crist”(At 11.26)
Os cristãos acreditam que Jesus Cristo é o Filho de Deus que se tornou homem e o Salvador da humanidade, morrendo pelos pecados do mundo. Geralmente, os cristãos se referem a Jesus como o Cristo ou o Messias.
Os seguidores do cristianismo, conhecidos como cristãos,[4] acreditam que Jesus seja o Messias profetizado na Bíblia Hebraica (a parte das escrituras comum tanto ao cristianismo quanto ao judaísmo). A teologia cristã ortodoxa alega que Jesus teria sofrido, morrido e ressuscitado para abrir o caminho para o céu aos humanos;[5] Os cristãos acreditam que Jesus teria ascendido aos céus, e a maior parte das denominações ensina que Jesus irá retornar para julgar todos os seres humanos, vivos e mortos, e conceder a imortalidade aos seus seguidores. Jesus também é considerado para os cristãos como modelo de uma vida virtuosa, e tanto como o revelador quanto a encarnação de Deus.[6] Os cristãos chamam a mensagem de Jesus Cristo de Evangelho (“Boas Novas”), e por isto referem-se aos primeiros relatos de seu ministério como evangelhos.
Jesus disse que fundaria sua Igreja e que as portas do inferno não a venceriam (Mt 16.18);Também orou pedindo ao Pai que houvesse unidade de fé e propósito entre os crentes formadores de sua Igreja(Jo 17.20,21)
Não é preciso nem ser muito especialista, basta estar atento às realidades vividas pelo atual cristianismo para se notar a confusão que se estabeleceu no mundo todo quando focamos o atual e lamentável estado do Cristianismo.Quando o olhamos com os olhos da revelação bíblica, temos vergonha de muitas práticas que se evidenciam nos círculos evangélicos e católicos também, é claro.
Já faz algum tempo estes desvios se instalaram no puro e simples evangelho que nos pregou e ensinou o meigo nazareno desde as perniciosas doutrinas de, Marcião que viveu entre  85 — 160 (75 anos) foi um dos primeiro herejes que perturbou a harmonia e pureza do ensino do Senhor e dos Apóstolos. Sua teologia (chamada marcionismo) propunha dois deuses distintos, um no Antigo Testamento e outro no Novo Testamento, foi denunciada pelos Pais da Igreja e ele foi excomungado. Sua rejeição de muitos livros que seus contemporâneos consideravam como parte das escrituras mostrou à Igreja antiga a urgência do desenvolvimento de um cânon bíblico. Começava ai duas vertentes perigossímas que tem conspurcado o verdadeiro cristianismo através dos tempos, me refiro ao ensino que nega a divindade do Senhor, pois acreditava em “dois deuses”, se há duas deidades, então uma das crenças básicas do cristianismo que é o Monoteísmo (ou uniteísmo), seria destruído.
Desde muito, vemos a idolatria praticada no mundo dito cristão, descarada e até mesmo institucionalizada pelo braço mais influente e poderoso deste sistema religioso, através de incontáveis canonizações de santos que nada mais são do que uma afronta direta aos ensinos bíblicos de que todos os salvos são considerados santos (2Co 1.1).
Se você não sabe, para ser canonizado, tornado santo por decreto papal, na igreja católica, é preciso que alguém testemunhe alguns milagres atribuídos ao tal personagem, atenção! Não é atribuída essa operação sobrenatural a Deus e sim ao “santo”, veja o Senhor reivindicando a si a glória: “Eu sou o SENHOR; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não darei, nem o meu louvor, às imagens de escultura” (Is 42.8), sobre isso poderíamos mencionar muitas aberrações que têm sido praticadas durante estes vinte séculos, mas vamos pensar em outra vertente aberta pelo Marcião mencionado,acima.
O segundo viés igualmente pernicioso, proposto e largamente ensinado por Marcião foi rejeitar parte das Escrituras, ou seja, mutilar o texto sagrado, ficando apenas com a parte que lhe convinha. Também não precisamos de esforço para ver essa prática largamente difundida em nossos dias, no ceio do “cristianismo evangélico ou não,”já não creem que “… toda a Escritura é inspirada por Deus” (2Tm 3.16).Com disse João, o apóstolo, “é já a última hora” (1Jo 2.18),sendo a ultima hora,fração de tempo, considero ser um tempo muito perigoso, difícil, biblicamente falando: “dias trabalhosos”nas palavras de Paulo(2Tm 3.1).
E na igreja evangélica professa?Qual é a situação?Temos claramente visto e não estamos julgando sem base, pois, o Mestre nos deu uma premissa legal para avaliarmos: “… pelos seus frutos os conhecereis” (Mt 7.20) Assim sendo,o que vemos é bem evidente, e claramente estampado em cada propaganda, anúncio,blog,site  e também nas mensagens cantadas e/ou pregadas em muitos púlpitos.
As pessoas naturalmente se dão a conhecer por suas ações, atitudes, gostos e preferências. Temos constatado de algum tempo para cá, uma falta de definição, de identificação com o verdadeiro e bíblico cristianismo. A vivência da Igreja Primitiva quase não tem sido observada em nossos dias, infelizmente.
Vejo na minha igreja membros manifestando os mais estranhos e esquisitos modos e maneiras de viver evidenciando mais mundanismo que santidade, mas glamour que humildade, mais shows que culto espiritual, muito mais louvor que adoração etc.. Vejo líderes discursando uma coisa e permitindo a prática de outra em suas próprias igrejas, por isso muitos estão iludidos outros frustrados e outros realizados quando se considera o bíblico e saudável cristianismo.
Quem seriam os iludidos? São aqueles que foram enganados com falsos discursos, promessas irrealizáveis e sonhos inalcançáveis por gentes superficiais, politiqueiras e que estão fazendo o jogo do espírito de satanás com suas gingas e astúcias mirabolantes. A ilusão passa muito longe de uma vida de fé, ela consiste hoje, na igreja, de um viver raso, periférico e materialista, religioso apenas e que não consegue mergulhar no centro da vontade de Deus. Iludido também estão aqueles aos quais foi apresentado um evangelho sem arrependimento, sem confissão de pecados, sem conversão, sem lamentação pela miséria do pecado, sem radical mudança de vida. Penso nesse tipo de gente mui especificamente quando leio o que disse o profeta de Deus “… curam superficialmente a ferida do meu povo dizendo paz, paz quando não há paz…” (Jr 6.14).
A ilusão de uma cura que não ocorreu, ou aconteceu apenas em parte, vejo a perigosa e extrabíblica confissão positiva mandando crentes repetirem coisas estranhas ao evangelho tipo “a cidade é nossa”; “o Brasil é do Senhor Jesus” e etc… Tudo isso soa muito bonito, dá muito marketing pra muita gente, só que é uma tremenda enganação e ilusão que confunde e coopera para aumentar ainda mais a mistura do profano com o sagrado.
Gente famosa do mundo artístico, esportivo ou musical está, dizem, convertendo-se (?), gostaria de crer de todo coração que isto fosse uma profunda realidade e que esta gente esteja mesmo nascendo de novo. Por que eles não saem pelo mundo dando de graça o que receberam (se receberam?), porque precisam cobrar quantias exorbitantes para apresentarem seus shows? Porque não romperam contratos mundanos que os comprometiam e os ligam ao mundo sem Deus? Não sabem eles que a Bíblia diz: “Quem está em Cristo é uma nova criatura; as coisas velhas já passaram e tudo se fez novo”? (2Co 5.7)
Iludidos estão obreiros, líderes e crentes que pagam ingressos para assistir tais shows, iludidos estão aqueles que se dizem cristãos, Pentecostais etc… Mas vivem entregues a própria vaidade, desrespeitando os princípios ensinados pela Igreja e as doutrinas éticas (usos e costumes) defendido há décadas pelos Santos e Santas de Deus em nosso abençoado movimento Pentecostal. Iludidos estão aqueles que dizem estarmos vivendo em outro tempo, e que agora pode ser diferente. Que será, meu Deus, de fiéis obreiros que disciplinaram crentes por várias desobediências aos princípios e até desligaram do rol de membros irmãs por cortarem as pontinhas de seus integrais cabelos?
Os iludidos foram mal gerados, por uma geração de crentes frios, vazios de Deus, tendo apenas aparência emocional. Uma geração que é amante de festas pomposas, inspiradas e embaladas por ritmos musicais modernos e mundanos. Eles continuam sendo massageados em seus egos por uma vida social, religiosa atraente, recheada de chás e jantares requintados.
Estes crentes iludidos não aprenderam adorar a Deus com voz de júbilo vindo da alma, comportam-se no culto divino como se estivessem assistindo a um espetáculo qualquer, não tem nada a dar, não participam da adoração e não contribuem para a espiritualidade nos nossos cultos. Estão iludidos. Oro para que Deus, o Espírito Santo, use com poder, pregadores cheios do Espírito de Deus mesmo, para quebrar o encanto da superficialidade, rompendo com a dura crosta ou casca que tem envolvido boa parte dos que se dizem crentes em muitas igrejas.
Os frustrados, quem seriam? Temos constatado a existência de um número muito grande de crentes e de obreiros cristãos, cuja ação e comportamento refletem uma grande e enraizada frustração. Alguns chegam a falar abertamente disso o que é muito preocupante, pois não contribui em nada para o crescimento espiritual da igreja do Senhor Jesus. Muitos estão indo aos cultos com uma expectativa de resultados espirituais positivas e voltam inteiramente frustrados. Esperam ver gente com as marcas de Cristo cantando, tocando recepcionando, testemunhando e até pregando, mas ao contrário encontram pessoas com as marcas do pecado, da vaidade, do orgulho e do partidarismo que faz acepção de pessoas. Alguém cuja preocupação é o social, a pompa festiva que se exibe.
Encontram-se na igreja de hoje muitos frustrados por ver o tempo do culto tomado por mero profissionalismo, pessoas com suas ações puramente religiosas não produzem nenhum temor ou tremor só um emocionalismo superficial emocional e  passageiro.A efetiva manifestação do poder, fica condicionada e restrita a cultos específicos com uma equipe “especializada” em promover o que devia ser constante em todos os cultos como cura divina e libertação. Muita gente está frustrada porque ao sair do mundo e vir para a igreja esperavam realmente encontrar algo diferente e isso infelizmente não está, em muitos casos, acontecendo. O que esta geração de crentes está oferecendo para preencher o vazio dos que vem para Cristo? Santos homens e mulheres de Deus,demonstram frustração ao verem tanto investimento material ocioso, tantos projetos, planos e seminários sem resultados efetivamente espirituais, tantas reuniões estéreis para resolver questiúnculas vergonhosas.
Há muitos frustrados pela falta de reverência (respeito e temor) nos cultos e nas dependências dos templos, nos termos que poetas estão usando em suas composições, nos ritmos próprios de ambientes inadequados para a adoração, certos procedimentos e comportamentos profanos e ocultistas que músicos estão introduzindo no ceio da igreja. Como disse Deus pelo profeta Isaías a respeito de Israel (sua vinha – sua plantação)
“… Que mais se podia fazer ainda à minha vinha, que eu lhe não tenha feito? E como, esperando eu que desse (produzisse) uvas boas veio a produzir uvas bravas?” Deus, a Igreja e o mundo estão esperando de mim e de você uma produção boa, o bom fruto do Espírito (Gl 5.22). Temos nós correspondido a esta expectativa ou temos frustrado alguém? Será que não existe alguém aí na sua congregação frustrado com seu proceder como filho ou filha de Deus?
Mas como sempre existem Os satisfeitos, e quem são eles? Satisfação é o contentamento daquele a quem tudo sucedeu na medida dos seus desejos. A satisfação é algo muito complexo, a nosso ver, pois o que pode trazer inteira satisfação a um pode desagradar inteiramente a outro. Por incrível que pareça há muitos crentes pentecostais totalmente satisfeitos com o comodismo, a inércia e a frieza espiritual. Para estes,uma vida espiritual dinâmica,atuante vibrante, seria um fanatismo, um exagero desnecessário e prejudicial, algo que fere (escandaliza) a sensibilidade religiosa de alguns cristãos nominais.
É triste, mas muitos estão contentes com essa caricatura de cristianismo que praticam, com essa miscelânea de Cristianismo, xamanismo, espiritismo e superstições religiosas variadíssimas. És tu um dos que acham que está tudo bem, que um crente em Jesus dependa de uma fita vermelha, por exemplo, para livrá-lo do “olho gordo”? Ou quem sabe você já passou por um “corredor de fogo”? Conhece alguém que acredita nos objetos ungidos como: água, sal, lenço etc… O ensino da Palavra de Deus sempre há de gerar uma fé sadia e viva (Rm 10.17),Jesus disse que quem acredita Nele “como diz a Escritura”(Jo 7.38),nossa vida de fé não deve depender de elementos estranhos à revelação de Deus,pois a base firme para um cristianismo autêntico e puro sempre será as “Escrituras Sagradas”- a Bíblia.
Mas, graças a Deus, existem muitos filhos e filhas de Deus por esse imenso país e no mundo todo que somente satisfazem-se quando vêem e sentem a realidade de um cristianismo Bíblico e produtivo. É verdade que a satisfação é muito relativa e dependente de circunstâncias, porém a Palavra de Deus nos dá diretrizes claras, seguras e imutáveis para guiar nossas ações e preferências. Uma coisa muito preciosa é dita pelo salmista: “Deleita-te no Senhor e ele te concederá os desejos do teu coração”. Este texto tem sido citado por muitos com impropriedade e com uma deficiente interpretação, ou também com propósitos interesseiros. Porém um coração que tem prazer no Senhor, certamente terá desejos puros, santos e realizáveis os quais Deus aprovará e os concretizará. Quando isto acontece a nível pessoal, familiar ou congregacional o crente sente-se satisfeito no verdadeiro, aprovado, correto e bíblico sentido.
São estas coisas que manifestam em nosso entender as características dum verdadeiro cristianismo proposto para todos os tempos e mui especialmente nestes dias finais!
Que Deus nos dê a verdadeira interpretação deste tempo presente prá não nos deixar enredar por um cristianismo espúrio praticado pela imensa maioria dos cristãos nominais, mundo a fora!
“E isto digo, conhecendo o tempo, que é já hora de despertarmos do sono; porque a nossa salvação está, agora, mais perto de nós do que quando aceitamos a fé”                                       (Rm 13.11)
Amém !


Comentários no Facebook