OS INCOMODADOS QUE SE MUDEM(?)! - Pastor Clari Mattos

ESTUDOS

OS INCOMODADOS QUE SE MUDEM(?)!

Publicado: outubro, 2017

A questão é:

Quem deve mudar?

Os incomodados?

Os incomodadores?

Lemos sobre um dos patriarcas hebreus, em determinado lance de sua vida, o seguinte:

“[…] os filisteus lhe tinham inveja. E, por isso, lhe entulharam todos os poços […], enchendo-os de terra. Então, Isaque saiu dali e se acampou no vale de Gerar, onde habitou” (Gn 26.14, 15,17).

Estamos certos de que as leis modernas nos garantem muitos privilégios e garantias, a famosa premissa constituinte: “todos são iguais perante a lei”, e outras nos dão base para exigir que ao contrário do dito popular acima, quem deve mudar é o “incomodador” e não o incomodado!

Nestes tempos sensíveis, se você se sente, por algum motivo, importunado, molestado por algo ou alguém, é sempre incentivado a denunciar e exigir reparos, se for o caso, ou que a pessoa ou situação (se) mude!

Entendemos que a famosa frase também soa muito arrogante e expõe o espirito orgulhoso que quem a usa, pois revela que tal pessoa não pretende mudar e vai continuar importunando quantos atravessarem seu caminho. Contudo, precisamos entender que cada “caso é um caso”, cada situação demanda uma consideração quanto ao contexto e condições. Há, por exemplo, pessoas hipersensíveis que se magoam com extrema facilidade e, certamente estes precisam amadurecer, sabemos bem disso.

O que nos leva a meditar sobre o assunto, no entanto, são aqueles que ferem, ou desobedecem a normas de condutas sociais ou até mesmo leis escritas, e acham que os outros têm que lhes aturar. A esse tipo sou simpatizante da atitude de que quem deve mudar são os que incomodam, não os incomodados. Existem até crentes, em nome de falsa hermenêutica de textos como Joel 2.1 e 2 Tm 4.2, incomodando os vizinhos e depois achando que é perseguição quando as leis dos homens os pune.

Todos, certamente já ouviram falar dessa parte da história do patriarca Isaque, o qual interinamente esteve entre os filisteus e mesmo naquela terra estrangeira, Deus o abençoou muitíssimo a ponto de ser motivo de inveja dos nativos. Após muitos incômodos, o rei Abimeleque, foi pessoalmente entregar um ultimato nos seguintes termos: “Até que um dia Abimeleque disse a Isaque: — Vá embora da nossa terra. Você ficou muito mais poderoso do que nós” (Gn 26.14- NTLH).

Água, como sabemos, em qualquer lugar ou tempo é essencial à vida. Mas, ao pensarmos naquela área semidesértica, poços eram uma preciosidade muito maior ainda. Entulhar um poço significava arruiná-lo, e constituía uma grande afronta e agressão, um verdadeiro crime à vida. Imagine-se chegando pela manhã para retirar a preciosa água da manutenção para a família e animais, e encontrar todos os poços entupidos, inutilizados, isto era facilmente motivo para o desencadear de uma guerra. Do relato da história, aprendemos que Isaque tinha plenas condições de retaliar, causando um grande dano aos agressores, lemos as palavras do próprio rei: “és muito mais poderoso do que nós”, mas ao contrário, ele sai da área de conflito para outra região e com muito trabalho e investimento, constrói outros poços! Ver Gn 26.16-19.

Acreditamos que o exemplo de Isaque acima, nos ilustra muito bem alguém agindo em nome da mansidão, da humildade e do autocontrole! Olhai para as definições que encontramos sobre ser manso, ou praticante da mansidão bíblica, como característica do fruto do Espírito Santo na vida do salvo.

Mansidão, segundo o dicionário de português é:

1 Qualidade ou característica do que é manso.

2 Doçura de gênio ou na maneira de comunicar-se; meiguice, suavidade.

3 Ausência de pressa ou de ferocidade; brandura, tranquilidade.

Segundo o dicionário de Strong, significa, doçura, tolerância.

É a decisão de um homem forte de controlar as suas reações, em submissão a Deus. É equilíbrio nascido da força de caráter, e deriva da firme confiança em Deus, e não da fraqueza ou temor (Tg 1.21; 3.13; 1Pe 3.15-ARC). Ser manso é ser gentil, humilde e de espírito brando (Mt 21.5; 1 Pe 3.15). Os mansos, são felizes, pois têm consciência de que “herdarão a terra” (Mt 5.5; Sl 37.11), isto implica, naturalmente, muita paciência, esperar pelo devido tempo e perseverar!

Mansidão é o antônimo de arrogância e orgulho, é igualmente contrário a um espírito agressivo e beligerante que vive em guerra contra todos os homens (Tt 3.2). Esta virtude faz o homem ter controle completo da parte impetuosa da natureza humana. Nesta acepção, podemos inserir a passagem de 1Samuel 26. 6 -12), que de forma magistral, ilustra o autocontrole, o temor a Deus e a mansidão de Davi, diante de seu impetuoso general Abisai, que estava totalmente disposto a assassinar o desviado rei Saul, que dormia totalmente desguarnecido no acampamento.

No contexto do episódio, temos um Davi, cruel e insanamente perseguido por Saul, o qual por puro ciúme está em campanha para matar o filho de Jessé, mas este demonstrando toda grandeza de seu caráter, contém a fúria de seu fiel comandante!

Uma pessoa mansa trata todos os semelhantes com cortesia perfeita, não fabricada, repreende sem ser rancoroso, debate sem a costumeira intolerância, encara a verdade sem ressentimentos, se vier a se irar, não cai em pecado (Ef 4.26), e demonstra mansidão sem ser fraco! (Adaptado de William Barclay).

Temos também o exemplo de Moisés, o legislador hebraico que em dado momento de sua vida foi incomodado pelos seus irmãos mais velhos, a Miriã e o Arão, não reagiu à altura, aliás, não respondeu nada (Nm 12). Falaram contra ele, diz o texto, e o assunto da intriga era sua esposa estrangeira, porém Moisés não mudou nada, nem mandou a mulher embora, nem se justificou, apenas silenciou e Deus interveio fazendo com que os incomodadores, no caso Miriã, fosse mudada!

Quem teve que mudar? Moisés, ou eles?

O segredo, é sempre confiar e descansar em Deus!

Amém!

Pr. Clari Mattos.


Comentários no Facebook