UM CORDEIRO PARA CADA FAMÍLIA - Pastor Clari de Mattos

ESTUDOS

UM CORDEIRO PARA CADA FAMÍLIA

Publicado: Abril, 2018

“No dia seguinte, vendo que Jesus vinha em sua direção, João disse: — Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (Jo 1.29);
“[…] Pois também Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi sacrificado” (1Co 5.7);
“[…]Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, a riqueza, a sabedoria, a força, a honra, a glória e o louvor.” (Ap 5.12).
Deus faz uso de alegorias para nos ensinar muitas coisas do mundo espiritual, em consequência de nossa mente finita.
Na Bíblia Jesus Cristo é representado na figura de um leão, especificamente como “Leão de Judá” (Ap 5.5), mas, especificamente na festa da páscoa ele é representado na figura do Cordeiro. O apóstolo Paulo se refere a Ele como “o Cordeiro Pascal” (1 Co 5.7).
Ao focarmos nossa atenção no tema ‘proteção e manutenção da família’, na bíblia, nos deparamos com exposições bem específicas que demonstram o cuidado divino com essa instituição levada e efeito por Ele próprio.
É bem claro nas Escrituras o entendimento de que Deus cuidou dos indivíduos e das famílias, bem como da nação inteira de Israel enquanto eles acreditaram e buscaram sua ajuda. Por igual forma vemos expresso na revelação sagrada que há um claro desejo do Senhor em abençoar e salvar todas as nações da terra em todos os tempos (Gn 12.3; Jo 1.29; 3.16). Para corroborar essa assertiva lembremos o que o Senhor diz pelo profeta: “Porque eu, o Senhor, não mudo; por isso, vocês, filhos de Jacó, não foram destruídos” (Ml 3.6).
Quero convida-los a recordar que há pelo menos quatro momentos em que Deus faz uso de cordeiros para abençoar, protegendo e preservando indivíduos ou famílias inteiras, na narrativa da Palavra de Deus.
UM CORDEIRO POR UM MEMBRO DA FAMÍLIA – Um indivíduo (Gn 22.13).
– Aqui um membro descendente da família de Abraão é substituído pelo animal, ensinando a doutrina da substituição do pecador por um animal inocente.
UM CORDEIRO POR UMA FAMÍLIA INTEIRA (Êx 12.3).
No dia da instituição da páscoa, um cordeiro sem defeito era separado no dia dez do mês de Abibe e passava a fazer parte da família em certo sentido, até que na tarde do dia quatorze era sacrificado, ele deveria ser morto e o sangue aplicado nos umbrais das portas das casas (Êx 12.3-7). O sangue representava proteção e um símbolo da obediência prática das famílias à ordem de Deus, a desobediência seria tragicamente sentida pela morte do primogênito.
O cuidado de Deus para com a família humana pode ser visto em toda a bíblia desde sua criação (Gn 2.18-24).
Ele a instituiu (Gn 1.26,27;2.18-24);
Quando todas as famílias haviam se corrompido pelo pecado, preservou Noé e sua família da inevitável destruição (Gn 6.13-22);
Chamou e capacitou Abraão para “ordenar sua família” (Gn 18.19);
Providenciou que, apesar das fraquezas de Ló, ele e sua família fossem salvos da destruição do juízo efetivo (Gn 19.1-23).
E, na nova aliança proveu redenção a todas as famílias da terra. Deus em Cristo, a redimiu (Tt 2.11; Ef 5.25; 2.11 -22);

UM CORDEIRO PELA NAÇÃO DE ISRAEL (Lv 16. 3..)
Um sacrifício anual era realizado em favor de toda a nação (corporativamente), quando o sumo sacerdote entrava no Santo dos Santos, com o sangue de um novilho, mas tendo também sacrificado em holocausto, um cordeiro representativo do futuro cordeiro de Deus.
Mas, apesar de todo cuidado e escrúpulo na observância deste ritual, ainda era uns sacrifícios parciais, temporários e apenas simbólicos (Hb 10.1-10).
UM CORDEIRO POR TODAS AS FAMÍLIAS DO MUNDO! (Jo 1.29).
Foi uma oferta, não por um indivíduo da família somente, nem por uma família em especial, também não apenas por uma nação, mas pelas famílias do mundo todo e de todos os tempos!
– Todos os milhões de cordeiros sacrificados durante o AT, eram símbolos que apontavam para a realidade da morte sacrificial de Cristo- o cordeiro de Deus!
Não mais apenas o cordeiro de Isaque;
Não é mais o cordeiro da páscoa israelita, cujo sangue protegeu suas famílias individualmente;
Também não é somente um cordeiro nacional, aquele que era sacrificado no dia da expiação,
Mas, é sim com toda propriedade o CORDEIRO DE DEUS!
– Os efeitos ou benefícios trazidos por aqueles cordeiros todos, eram transitórios, este é eterno (Hb 7.25);
– O sangue daqueles cordeiros apenas cobria pecado, o de Cristo TIRA o pecado!
– Os sacrifícios daqueles animais apenas adiavam o justo juízo divino, mas Cristo como “cordeiro de Deus”, recebeu sobre si o castigo que nos traz a paz, absorvendo todo o sofrimento dele resultante (Is 53.5; Gl 3.13; Cl 2.14).
– O sangue de Cristo precisou ser vertido na cruz para redimir todos os filhos de Adão (1Pe 1.18,19). Aquele sangue que foi derramado no Egito, e aspergido nos umbrais das portas, simboliza e aponta para o sangue imaculado do Senhor Jesus no gólgota.
Que nossas famílias valorizem mais o CORDEIRO de Deus – Cristo, e o que Ele fez por nós e ensinemos aos que ainda não sabem!
Amém!
Pr. Clari Mattos.


Comentários no Facebook