ESTUDOS

DE PAI PARA FILHO

Publicado: fevereiro, 2018

“Quanto a você, meu filho Salomão, conheça o Deus de seu pai e sirva-o de coração íntegro e espírito voluntário, porque o Senhor esquadrinha todos os corações e penetra todos os desígnios do pensamento. Se você o buscar, ele se deixará achar por você; mas, se você o abandonar, ele o rejeitará para sempre” (1Cr 28.9).
Conselhos de um pai, próximo de sua morte, a seu filho que vai assumir seu lugar no trono!
É fato comprovado que perto da morte, pessoas normalmente têm momentos de reflexões sérias, pois não há ali, tempo nem clima para brincadeiras. Nunca estive lá, mas ouvimos e lemos sobre muitos que em iminência da morte física, se expressam sobre coisas do passado, recordando, e também projetam o futuro em relação a seus entes queridos que ficarão, o que e como deverão administrar suas vidas e quiçá os negócios da família.
O que lemos nesse trecho é mais um exemplo de que a vida humana nesta dimensão terrestre é um ciclo e que o mesmo chegará inexoravelmente a seu fim, exceção feita somente aos vivos do dia do arrebatamento. Por mais importante, útil e amado que se tenha sido, como foi o caso do rei Davi, um dia tudo termina onde tudo começou, o pó! (Gn 2.7; 3.19).
Felizes são aqueles que mesmo nesses instantes tão difíceis, têm clara consciência do que foram, são e do que estão deixando para a posteridade. Mas, igualmente venturosos são aqueles que convivem com alguém desse naipe!
O que temos aqui são conselhos lúcidos de um pai, idoso, deixando como legado a seu filho e sucessor, as admoestações bem claras e pertinentes, não somente para o futuro rei como para qualquer crente em todo e qualquer lugar.
Resumidamente, seguem os conselhos…
1. CONHEÇA O DEUS DE EU PAI.
Uma coisa era Salomão ouvir dos feitos de Deus na vida de seu pai ou mesmo ver milagre que claramente aconteceram, especialmente no campo bélico, pois seu pai foi em toda sua vida um guerreiro invencível, fato que era atribuído à ação sobrenatural do Senhor através dele e isto era de reconhecimento nacional. Todos sabiam que Deus era com (pelejava por), Davi, este era seu segredo! Naturalmente, o conhecimento referido não devia ser apenas teórico ou referencial como muitos o têm hoje. Era aquele tipo testemunhado por Jó 42.5,6: “[…]eu te conhecia só de ouvir falar”, confessa o patriarca, “mas agora meus olhos te veem”!
O que Salomão e qualquer crente precisa é de conhecimento, não de segunda mão, mas íntimo, pessoal e direto (Jo 17.3).
2. SIRVA A DEUS VOLUNTARIAMENTE.
Sem imposições de circunstâncias negativas as quais facilmente empurram muitos a uma religiosidade espúria que os leva a um tipo de negociata do tipo “toma lá, dá cá”. Este tipo enganador de “evangelho” ilude o “adorador”, propondo que a adoração é um tipo de moeda de troca, levando muitos a substituir o Deus verdadeiro pela liturgia emocional, trágico!
Acredito que o princípio bíblico do “não por força nem por violência” (Zc 4.6), também pode ser aplicado ao serviço que prestamos a Deus.
Faz-se necessário lembrar que há diferença entre servir à igreja e servir a Deus efetivamente, sobre isso há um texto interessante em 1Crõnicas 24.5 NTLH, aqui lemos sobre um grupo de oficiais do templo e outro de líderes espirituais”. Tem-se que fazer distinção entre uma coisa e outra para nos embrenhar num ativismo estressante e improdutivo achando que se está fazendo a vontade de Deus, porém nem sempre.
Contudo, “ quem não se envolve, não se desenvolve”!
3. BUSQUE A DEUS, “Ele se deixará achar por ti”.
Buscar a Deus, nas Escrituras, significa orar, mas é aquele tipo de oração com intensidade, não apenas formal ou religiosa simplesmente. No Sl 27.4, o salmista fala de “pedir” e “buscar”, como coisas distintas, assim entendo.
Aqui, lembramos que há diferença entre aquele que busca a Deus para ser salvo, o pecador que pela primeira vez tocado pela chamada do evangelho, abre o coração para Deus e aquele que já é crente e que muitas vezes, em razão da rotina religiosa que em muitos casos o imobiliza alguns que acabam apenas evidenciando um ritual místico distanciado da verdadeira espiritualidade.
4. SEJA FORTE E MÃOS À OBRA!
Há uma obra a ser feita por cada filho de Deus, como diz o poeta, “há trabalho pronto para ti cristão” (Hino 93 HC).
No caso do então, jovem Salomão, era o majestoso templo em Jerusalém a ser construído, literalmente para a glória de Deus se manifestar! (2Cr 7.1).
A dupla exortação faz todo sentido, neste conselho, pois existem muitos que são fortes, mas, lhes falta pôr as mãos à obra! Por outro lado, encontramos nas lides da vida muitos envolvidos no trabalho, porém de forma flácida, frouxa ou fraca e a obra não anda!
Para o crente da nova aliança, Paulo também tem uma positiva admoestação: “No demais irmãos, sede fortificados no Senhor” (Ef 6.10). Neste texto encontramos a fonte de nosso fortalecimento para a obra – O Senhor!
O último conselho de Davi a Salomão, seu filho está na forma negativa.
5. SE VOCÊ O ABANDONAR ELE O REJEITARÁ!
Diferente do muito que se ouve, hoje, quando a ênfase é: “não importa o que você fizer Deus não desiste de você”, etc., este alerta do rei Davi detona essa teologia barata, que na verdade é uma teoria. Sobre o assunto, o Senhor Jesus, enfático afirma: “aquele que me negar …Eu o negarei diante de meu Pai” (Mt 10.33), Paulo por sua vez, não deixa apor menos, ao dizer que: “se o negarmos, Ele por sua vez, nos negará também” (2Tm 2.12).
As Escrituras revelam que Salomão, infelizmente, no final de sua vida, já idoso, fase da existência em se espera ver no ser humano mais firmeza, equilíbrio e sensatez abandonou o Senhor seu Deus indo adorar deuses estranhos e esquisitos em cerimônias bizarras. O então senhor e soberano respeitado no mundo todo de então, acabou por sucumbir às más influências de suas muitas esposas pagãs (1Rs 11), triste, não é?
Fica a dica!

Amém!

Pr. Clari Mattos!


Comentários no Facebook