ESTUDOS

VIVER É LUTAR!

Publicado: fevereiro, 2019

“[…] nenhum atleta é coroado como vencedor, se não competir de acordo com as regras” (2Tm 2.5- Versão NVI).
Nossa luta pode ser bélica (Ef 6.10-17), ou atlética como aqui e em outros escritos de Paulo.
Mas, precisamos competir dentro das normas!
Antes de uma luta de boxe ou outra qualquer, iniciar, ouvimos a famosa frase do juiz da competição: “Eu quero uma luta limpa”, proferindo na sequência, resumidamente o que o lutador não poderá fazer, caso contrário será penalizado.
Considerando que a vida de um salvo em Cristo, aqui, é também uma luta ou uma corrida, parece-nos ouvir o promotor da peleja dizendo, quero que você lute legitimamente, não burlem as leis nem simulem situações para benefício próprio.
De muita atualidade se reveste o tema, visto que nos últimos anos a nação tem se debatido quase sem forças para sair dum mar de lama moral, mais parecido com um terreno de areia movediça, que parece não ter fim. Mas, antes de se configurar em dimensões alarmantes, a corrupção sempre começa pequena, nas decisões e atitudes individuais, no seio da própria família. Ouvimos Jesus dizer que “Quem é fiel no pouco também é fiel no muito; e quem é injusto no pouco também é injusto no muito” (Lc 16.10), ou seja, é mesmo uma questão de caráter do lutador.
Digno de registro e bem significativo também, foi a repercussão, não só no mundo esportivo, mas em âmbito geral da sociedade, a atitude de um jogador de futebol brasileiro, recentemente que, contrariando o fluxo normal de tanta desonestidade e malandragem, do meio em que vive, se declarou o culpado de determinada ação faltosa em plena disputa, evitando uma punição para um adversário, que efetivamente não devia. Meus parabéns a ele!
Quando Paulo utilizou a metáfora do atleta em competição, o fez sabendo que seus destinatários entenderiam facilmente sua mensagem, pois estavam familiarizados com os jogos olímpicos de Atenas ou os ístmicos de Corinto. Lá no primeiro século, como hoje, qualquer competição tem suas específicas normas ou regras a serem obedecidas pelos participantes, e se assim não procederem, serão desclassificados ou desqualificado (1Co 9.27).
A vida espiritual, tal como proposta pela Palavra de Deus, também é compara a uma luta bélica, contra inimigos não carnais, que são espirituais e invisíveis (Ef 6.12), logo as armas das quais precisaremos também não podem ser humanas ou carnais (1Co 10.4). Essas armas fazem parte das normas estipuladas por Deus para que lutemos, vençamos e sejamos coroados, finalmente!
Realmente, não devíamos ter nenhum inimigo humano, visível pois o criador não nos projetou para competir um com o outro, foi a entrada do pecado no mundo que condicionou a humanidade a uma luta insana pela vida e nos jogou numa realidade competitiva constante contra nosso próximo. Estes se configuram em adversários bem visíveis que procuram nos vencer quanto a chegar primeiro a algum posto, ou ser o melhor em alguma atividade social ou profissional.
E neste embate, muitos procuram burlar as normas, agindo com astúcia e dolo.
Eis algumas das regras do “jogo da vida” para cristãos:
1. Revestir-se de humildade, vida íntima com Deus (1Pe 5.5);
2. Andar, ou viver humildemente Mq 6.8);
3. Considerar os outros superiores a si mesmo (Fl 2.3);
4. Não resistir ao perverso, ou não revidar a ofensa recebida (Mt 5.39);
5. Não pagar o mal com o mal (Rm 12.17);
6. Vencer o mal praticando o bem (Rm 12.21);
7. Fazer ao outro o que você quer que façam a você (Mt 7.12).
Esta última norma da luta, tem sido considera a “regra áurea” do cristianismo.
Considerando que vivemos num mundo onde predomina a lei do mais forte, do egoísta, do levar vantagem em tudo e do jeitinho, ao lembramos essas premissas básicas do Novo Testamento, nos conscientizamos de quão longe desse ideal, se afastaram muitos segmentos, ditos cristãos.
Se queremos ser corados, galardoados ou recompensados um dia por Deus, é preciso fazer uma luta limpa, uma corrida com paciência, dentro das normas divinas.
Termino inserindo mais duas versões do texto base deste comentário:
“O atleta que toma parte numa corrida não recebe o prêmio se não obedecer às regras da competição” (Versão da NTLH).
“E se um atleta competir nos jogos públicos, não será coroado se não cumprir o regulamento” (Versão Almeida 21).

Amém!

Pr. Clari Mattos.


Comentários no Facebook